Instituto Superior Técnico

Conselho Pedagógico

Archive for the ‘Geral’ Category

“Observar e Aprender” terá a sua 17ª Edição.

sexta, setembro 23rd, 2022

Este semestre, o projeto “Observar e Aprender” terá a sua 17ª Edição.

Com este projeto promove-se a observação de aulas entre docentes de diferentes áreas científicas, oriundos de várias Escolas da ULisboa e organizados em pequenos grupos (quartetos), desenvolvendo práticas coletivas de reflexão e feedback sobre a ação pedagógica.

No próximo dia 28 de setembro vai realizar-se o seminário do projeto, a partir das 14h30 no Instituto de Educação. Este seminário está aberto a todos os interessados, mesmo para quem não planeia participar nesta edição do projeto.
A inscrição no projeto e no seminário pode ser efetuada até ao dia 23 de setembro no seguinte formulário:

https://forms.gle/Kib9CB7ZuR8SoG8Y8

Solicitamos o seu apoio na divulgação desta iniciativa na sua Instituição.
Toda a informação pode ser encontrada na página do projeto: https://sites.google.com/site/observareaprender/

Estamos à sua disposição para o esclarecimento de todas as questões que queiram colocar. Pode para esse efeito utilizar o endereço de correio eletrónico: observar.e.aprender@reitoria.ulisboa.pt

Boas-Vindas

terça, setembro 13th, 2022

Caro Novo Estudante do Técnico,

Muitos parabéns e bem-vindo ao Técnico, de cuja comunidade passas a fazer parte, participando no seu futuro.

O Conselho Pedagógico estará presente na sessão de Boas-Vindas do teu curso, onde esperamos encontrar-te no início desta nova etapa da tua vida.
Podes sempre contar connosco a partir deste momento.

A equipa de Professores e Estudantes da Comissão Executiva do Conselho Pedagógico,

Teresa Peña                           Beatriz Isidro
Carlos Santos Silva            Ricardo Lameirinhas
Miguel Teixeira                    Leonor Matos

Sobre avaliação em caso de estudantes em confinamento devido a COVID:

segunda, abril 4th, 2022

Sobre avaliação em caso de estudantes em confinamento devido a COVID:

O professor decide o que fazer nestes casos, sendo que pode ser recuperada a avaliação contínua e que o estudante pode ainda fazer requerimento para época especial.
Este semestre não há estatuto covid.

“Observar e Aprender” 16ª Edição

sexta, março 25th, 2022

Observar e Aprender

No segundo semestre do ano letivo 2021/2022 o projeto “Observar e Aprender” terá a sua 16ª Edição. Com este projeto pretende-se continuar a promover as competências de prática letiva, quer através do feedback
recebido pelo observado, quer através da sensibilização pedagógica que resulta da atividade como observador, num esquema de observações em que os docentes participantes são voluntários e em que o anonimato e a
confidencialidade se encontram assegurados. O modelo de observação proposto tem como base um quarteto constituído por dois pares de docentes, oriundos de diferentes Escolas e formando grupos de trabalho nos quais todos os intervenientes observam (duas vezes) e são observados (duas vezes).

Este semestre não haverá um seminário no formato habitual. O mesmo será substituído por uma sessão de informação, a qual se realizará no próximo dia 31 de março, às 15h00 (via Zoom). Essa sessão é especialmente
dedicada a quem vai participar no projeto pela primeira vez e gostaria de saber mais detalhes sobre o seu funcionamento. Também se apresentarão nessa reunião os resultados do tratamento das grelhas de observação
coligidas durante o 1º semestre do ano letivo 2021/2022. Esta sessão de informação está aberta a todos os interessados, mas uma inscrição é necessária para que depois seja enviado o link da sessão. O programa completo da sessão de informação está disponível no site:
https://sites.google.com/site/observareaprender/edições/20212022-2º-semestre

Agradecemos desde já o seu apoio na divulgação desta iniciativa no seio da sua Instituição. Continuamos a acreditar que o “Observar e Aprender” pode ser uma ferramenta interessante para a promoção das competências de
prática letiva.

Toda a informação pode ser encontrada na página:
https://sites.google.com/site/observareaprender/

As inscrições para a participação no projeto (com data limite no dia 3 de abril) e para a sessão de informação podem ser efetuadas no formulário que pode ser encontrado no endereço:
https://forms.gle/wewU9f4edy1KvRgT8

A partir desta edição, a coordenação do “Observar e Aprender” passa a contar com a colaboração direta da Beatriz Silva, da Joana Viana e do Miguel Neves. Estamos à sua disposição para o esclarecimento de todas as
questões que queiram colocar. Pode para esse efeito utilizar o endereço de correio eletrónico:

observar.e.aprender@reitoria.ulisboa.pt

 

Dissertação de Mestrado – Aceitas o desafio?

sexta, março 25th, 2022

Dissertação de Mestrado – Aceitas o desafio?

O projeto intitulado “Dissertação de Mestrado – Aceitas o desafio?” tem como objetivo auxiliar os estudantes na realização da Unidade Curricular (UC) de Dissertação de Mestrado. Esta UC contempla conteúdos próprios e distintos das restantes UCs de Mestrado, existindo recorrentemente lacunas nos formalismos e rigor científico exigidos nesta UC.

Pode consultar mais informações sobre o projeto e sobre os conteúdos abordados no workshop na página do Conselho Pedagógico.

Calendário de próximas edições e inscrições

De momento ainda não estão disponíveis as datas das próximas edições. Assim que possível, a informação será divulgada.

Dia Hora Local Inscrição
 1 de abril  9h00 – 13h00 sala 0.65  –  Campus TagusPark  Formulário de inscrição
 22 de abril  9h00 – 13h00 GA do Centro de Congressos  –  Campus Alameda  Formulário de inscrição
  22 de abril  14h00 – 18h00 GA do Centro de Congressos  –  Campus Alameda  Formulário de inscrição

Informações adicionais

Se pretender solicitar mais informações sobre o workshop, contacte-nos.

Mensagem de Boas Festas 2021

terça, dezembro 21st, 2021

 

Neste final de ano, na hiperligação abaixo, os membros da Comissão Executiva do CP partilham testemunhos sobre a experiência neste orgão em 2021 e um resumo das ações do Conselho Pedagógico durante este ano com alguns Links úteis, 
sobre inovação pedagógica, acções de formação, orientações para avaliação, etc. 

15ª edição do projeto – “Observar e Aprender”

quarta, setembro 29th, 2021

Observar e Aprender

Vai ter início a 15ª edição do projeto  “Observar e Aprender”, a qual se realizará durante o 1º semestre do ano letivo 2021/2022.

Este projeto visa estimular a atividade de docência, promovendo espaços de experimentação e de apoio aos docentes da ULisboa. Consiste na observação cruzada de aulas entre docentes, abrangendo as Escolas que entendam participar e assentando numa base de voluntariado, em que o anonimato e a confidencialidade dos participantes se encontram assegurados.

As mais-valias que poderá obter através desta experiência incluem a promoção das competências de prática letiva, quer através do feedback recebido pelo observado, quer através da sensibilização pedagógica da observação. Os desafios com que temos vindo a ser confrontados recentemente na nossa prática letiva reforçam a importância da observação e da partilha de práticas pedagógicas.

A equipa envolvida na organização deste projeto, pioneiro na ULisboa, engloba representantes do Instituto Superior Técnico, da Faculdade de Farmácia, da Faculdade de Psicologia, do Instituto Superior de Agronomia, da Faculdade de Ciências e do Instituto da Educação. Há o objetivo de assegurar o envolvimento e a participação ativa de um número crescente de Escolas da ULisboa.

Os interessados deverão inscrever-se até ao próximo dia 6 de outubro, utilizando para esse fim o formulário que pode ser encontrado no endereço:
https://forms.gle/mbUeswX3QD9NBEbNA

No próximo dia 11 de outubro vai realizar-se o seminário do projeto, a partir das 14h30. Este evento realiza-se num formato virtual, sendo para tal criada uma sessão Zoom.

Num primeiro momento teremos a participação especial do nosso colega da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, João Pedro Pego, coordenador do “De Par em Par” que nos vai falar sobre o funcionamento e os desafios deste projeto. O “De Par em Par” é o projeto de partilha pedagógica e observação de aulas entre pares que inspirou o lançamento do projeto “Observar e Aprender”. Posteriormente, serão apresentados os resultados do tratamento das grelhas de observação coligidas durante o 2º semestre do ano lectivo 2020/2021. Depois, serão discutidos aspectos práticos relacionados com o funcionamento do projeto neste semestre e haverá um tempo para partilha de experiências de colegas que participaram em edições anteriores. Todas as informações referentes ao seminário podem ser encontradas no endereço:
https://sites.google.com/site/observareaprender/edições/20212022-1º-semestre

Para mais informações: https://sites.google.com/site/observareaprender/

Call PIP 2021

quarta, abril 21st, 2021

Estão abertas as candidaturas para os“Projetos de Inovação Pedagógica (PIP)”- PIP 2021 no âmbito de unidades curriculares (UC) lecionadas no Técnico.

O Concurso PIP tem como objetivo a mobilização dos docentes do Técnico tendo em vista a implementação de métodos pedagógicos inovadores e de aprendizagem ativa com impacto na atualização e adaptação do modelo de ensino do Técnico.

As candidaturas decorrem de 17 de março até ao dia 3 de maio 2021.

A publicação dos resultados será feita no dia 17 de maio de 2021.

Ler o artigo completo em: https://tecnico.ulisboa.pt/pt/noticias/candidaturas-de-projetos-de-inovacao-pedagogica-pip2021/

Ciclo de Formação – Laboratórios em Tempos de Pandemia

domingo, fevereiro 28th, 2021

 

https://tecnico.ulisboa.pt/pt/noticias/campus-e-comunidade/conselho-pedagogico-promove-ciclo-de-formacao-sobre-o-ensino-experimental-em-tempos-de-pandemia/

O ensino experimental é fundamental para a formação dos alunos do Instituto Superior Técnico. Na situação atual de pandemia, o ensino experimental fica comprometido e é necessário encontrar uma situação de compromisso.

Neste sentido, o Conselho Pedagógico com o apoio do Núcleo de Desenvolvimento Académico (NDA) criaram um ciclo de formação intitulado Laboratórios em Tempos de Pandemia com o objetivo de partilha de experiências de ensino experimental de docentes do Instituto Superior Técnico de diversos departamentos em resposta à situação de pandemia.

A primeira sessão realizou-se no dia 26 de fevereiro 2021.
Veja toda a documentação e informação sobre a iniciativa aqui.

A segunda sessão realizou-se no dia 15 de março 2021.
Veja toda a documentação e informação sobre a iniciativa aqui.

A terceira e última sessão deste ciclo realizou-se no dia 7 de abril 2021.
Veja toda a documentação e informação sobre a iniciativa aqui.

Órgãos de Escola: Quatro testemunhos

domingo, novembro 29th, 2020

Diferencial

Autoria: Carolina Bento, MEBiom (IST)

Disponível em: https://diferencial.tecnico.ulisboa.pt/artigo/orgaos-de-escola-quatro-testemunhos/


As eleições para a Assembleia de Escola, Conselho Pedagógico e Conselho de Escola realizam-se nos dias 2 e 3 de dezembro. Quando este assunto surge, as questões com que mais me deparo são: Que órgãos são esses? Mas alguma vez votámos para isto? As eleições para a AE não foram no mês passado? A verdade é que a maioria dos estudantes do IST não conhecem estes órgãos e as suas funções. Para colmatar este desconhecimento, tive a oportunidade de falar com alguns dos membros que trabalharam por nós e connosco neste mandato. Falei com a Francisca Simões, membro do Conselho Pedagógico desde 2017 e vice-presidente do mesmo desde 2019, com o Pedro Garvão, membro do Conselho de Escola, e com a Maria Inês Mendes e a Cristina Pinto, membros da Assembleia de escola.

Em primeiro lugar, pareceu-nos que o esclarecimento mais importante a fazer seria relativo às funções destes órgãos. A Francisca começou por me explicar em que consistia o conselho pedagógico, que, lembrou, é provavelmente o órgão que está mais envolvido no dia-a-dia dos alunos. Este está, como o próprio nome indica, encarregue da realidade pedagógica do IST. A regulação dos métodos de avaliação, a garantia de qualidade dos QUCs e a formação e comunicação com os Delegados são responsabilidade do Conselho Pedagógico. Além disso, tem muitas vezes de intervir em situações ocasionais, como é o caso da atribuição de fundos dos projetos de inovação pedagógica ou do debate relativo ao MEPP.  Se o CP teve um importante papel no desenvolvimento deste modelo, quem teve o parecer final relativo à aprovação do mesmo foi o Conselho de Escola. “Este é um órgão um pouco diferente dos restantes” começou o Pedro fazendo uma comparação caricata, “Se o Conselho de Gestão é o Governo, o Conselho de Escola é o Presidente da República”. O Pedro explicou-me que este órgão é sobretudo de supervisão e a perspetiva com que se opera o mesmo é global, tentando perceber o que é melhor para o IST como um todo. A aprovação do orçamento, os planos de atividades e as grandes decisões são feitas por este conselho. Finalmente, a Maria Inês e a Cristina esclareceram que o objetivo da Assembleia de Escola é estimular uma discussão clara e transparente no seio de toda a comunidade do IST. Este é um órgão consultivo que emite pareceres para que o Conselho de Gestão possa tomar as melhores decisões possíveis. Para isso, os alunos que pertencem à Assembleia provêem das mais diversas áreas de forma a poderem partilhar diferentes pontos de vista e opiniões.

De seguida, quis perceber qual é o processo a que estes órgãos recorrem para executarem as suas funções. “O Conselho Pedagógico reúne em plenário com todos os seus vinte e quatro membros.”, disse a Francisca. Para além disso, explicou que a reunião em plenário permite discutir grandes temas como a extinção ou alteração de cursos ou de regulamentos do corpo de Delegados e de coordenadores. No entanto, o trabalho do CP não termina nas sessões de plenário. Este órgão é constituído por uma comissão executiva, que coordena os trabalhos do CP, uma comissão para os QUC, que garante o bom funcionamento das UC baseado no nosso feedback, uma comissão para o corpo de Delegados, que apoia os Delegados nas suas funções, e uma comissão de gestão de espaços, que, segundo a Francisca, ainda tem imenso potencial para nos oferecer. A atuação do CE é baseada em reuniões com todos os membros, que se realizam cerca de cinco a seis vezes por ano civil. Nestas reuniões, as decisões do Conselho de Gestão são avaliadas e aprovadas tendo em conta os pareceres emitidos pelos restantes órgãos. Assim, segundo o Pedro, “O peso da tomada destas decisões é enorme, a responsabilidade final é nossa”. É importante observar que as decisões tomadas por este órgão são sempre transmitidas num breve resumo que recebemos no nosso e-mail, portanto é nosso dever estar atentos ao nosso e-mail institucional. Relativamente aos trabalhos desenvolvidos pela Assembleia de Escola, a Inês começou por lembrar que o órgão atua de forma diferente, particularmente pelo número de membros que o constitui, “Nós ao todo somos vinte alunos, mas já chegámos a atingir os cem participantes (contando com estudantes, pessoal docente e não docente, quando o número de participantes habituais é de sessenta), nas assembleias abertas ao público”. Cada assembleia é convocada pela mesa da Assembleia, composta por um professor, o presidente da mesa, um representante dos alunos e um representante do pessoal não docente. Na assembleia, são debatidos e votados os pareceres,  mas “nos últimos anos, decidimos alargar o trabalho da assembleia e constituir uma comissão permanente, onde os assuntos são debatidos de forma mais rápida”, explicou a Inês, “a comissão permanente também tem como função planear as assembleias de forma a que o processo seja mais eficiente”, acrescentou a Cristina.

Conhecendo agora o funcionamento destes órgãos, creio que uma das questões mais frequentes é se os alunos que nos representam são realmente ouvidos. “Sim”, respondeu a Francisca de forma assertiva, “Essa sensação pode por vezes não passar para fora, mas o que é um facto é que os alunos têm impacto na escola e alteram coisas que se vêem”. A vice-presidente do CP falou ainda de batalhas passadas, como a marcação dos testes de segundo semestre, em setembro, e a possibilidade de irmos a revisões de provas. Segundo a Francisca, isto acontece porque no CP há uma colaboração muito próxima entre professores e alunos e o desempenho da própria presidente do CP, a professora Raquel Aires Barros, que procura integrar todos os intervenientes nas decisões tomadas, contribui para isso. O Pedro realçou outra realidade, relativa ao CE, apenas dois dos quinze membros deste órgão são alunos, pelo que, se estivermos isolados, em matéria de voto acabamos por não passar o que nos interessa. Desta forma, a atuação do Pedro e do Gonçalo ao longo deste mandato  baseou-se na promoção da discussão e do debate de novas ideias e pontos que nos são relevantes e, para que esta fosse bem sucedida, foi necessário que os restantes intervenientes do CE respeitassem e valorizassem as suas opiniões. Referindo-se à AE, a Inês começou por dizer que, apesar de este assunto ser complexo, “a nossa voz é sempre ouvida.”. No entanto, a relação com o pessoal docente e  não docente não é de grande proximidade, já que os interesses e as opiniões são muito divergentes. Apesar disso, o processo é democrático e as perspetivas são todas tidas em conta.

Além da relação com o pessoal docente e não docente, foi referido várias vezes durante esta entrevista que a comunicação dentro de cada órgão, e entre órgãos, é de extrema importância. A articulação e companheirismo entre estes membros foi palpável e a Francisca a certa altura afirmou que é importante que “todos tirem partido de todos”. O Pedro realçou que dada a perspetiva global necessária para desempenhar um papel no Conselho de Escola, tiveram “o cuidado de saber sempre o que estava a ser discutido na Assembleia de Escola, que tem um peso muito grande por ter o maior número de intervenientes”. A Maria Inês disse ainda que “nós, alunos, somos muito unidos, coesos”. A comunicação é uma chave fundamental para a boa performance destes órgãos.

Por fim, quis entender qual a aprendizagem que havia sido adquirida pelos membros graças a esta oportunidade. A resposta acabou por ser comum a todos, uma melhoria da capacidade de liderança, do trabalho em equipa e uma maior competência na gestão de expectativas e em lidar com a frustração. O Pedro quis ainda aconselhar os novos membros a serem construtivos, a mostrar abertura à comunidade e a cada pessoa que os aborde e a manterem-se sempre informados. A Francisca pediu-lhes que procurassem sempre consenso e lembrou que o próximo mandato vai ser muito desafiante e que a entreajuda vai desempenhar um papel muito importante no mesmo. Finalmente, a Maria Inês e a Cristina incentivaram à não conformação e à coragem para falar sempre que achem necessário.

Como compreendemos neste texto, estes órgãos desempenham um papel fulcral no nosso bem-estar académico.

Órgãos de Escola: Quatro testemunhos